Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

ALGUMAS IDEIAS PARA NÃO DESPERDIÇAR ALIMENTOS

Mäyjo, 03.02.17

desperdicio-alimentar

A União Europeia desperdiça todos os anos metade dos alimentos produzidos e a percentagem é ainda maior à escala mundial. A produção anual de resíduos alimentares nos 27 Estados-membros da União Europeia equivale a cerca de 179 quilos por pessoa.

 

1. Planeie as suas compras

Planeie as refeições para toda a semana. Veja o que falta no frigorífico e na despensa e faça uma lista dos produtos de que realmente precisa. Quando for às compras, leve a lista e siga-a à risca. Não se deixe tentar pelas ofertas especiais nem vá às compras de estômago vazio, pois arrisca‑se a chegar a casa com produtos que não lhe faziam alta. Evite os produtos pré‑embalados: prefira a fruta e os legumes a peso, pois poderá comprar exactamente as quantidades necessárias.

 

2. Verifique as datas

Esteja atento ao prazo de validade dos produtos. A menção “consumir até” indica que o produto só pode ser consumido até à data indicada (por exemplo, para a carne e o peixe). A menção “consumir de preferência antes de” indica a data até à qual o produto apresenta uma qualidade óptima; estes alimentos podem  ser consumidos sem risco mesmo depois da data indicada.

 

3. Não perca de vista o seu orçamento

Desperdiçar alimentos equivale a perder dinheiro.

 

4. Mantenha o frigorífico arrumado e limpo

Verifique se as embalagens estão bem fechadas e controle a temperatura do seu frigorífico. Os alimentos devem ser conservados a uma temperatura entre 1º e 5º C para que mantenham a frescura e o sabor.

 

5. Conserve os alimentos

Conserve os alimentos de acordo com as instruções indicadas na embalagem.

 

6. Faça uma rotação dos alimentos

Quando volta das compras, arrume os produtos no frigorífico ou na despensa, colocando os mais antigos na frente das prateleiras e os que acaba de  comprar no fundo. Evitará, assim, esquecimentos e más surpresas.

 

7. Não encha demasiado o prato

É preferível voltar a servir‑se quando tiver terminado o que tem no prato.

 

8. Utilize os restos

Não deite a carne ou as batatas que sobraram de uma refeição para o lixo. Pode consumir estes restos no dia seguinte, aproveitá‑los para confeccionar outros pratos ou congelá‑los. A fruta demasiado madura pode ser utilizada para fazer batidos ou sumos. Os legumes que  perderam a frescura podem ser aproveitados para fazer sopa.

 

9. Congele

Se comprar um pão grande e só comer uma pequena quantidade de cada vez, divida o restante em porções e congele. Tire a quantidade necessária do congelador algumas horas antes da refeição. De igual modo, divida os pratos que preparou em porções e congele‑as para ter refeições prontas para os dias em que estiver demasiado cansado para cozinhar.

 

10. Renda-se à compostagem

O desperdício de alguns alimentos é inevitável. Por que não pôr no seu jardim uma caixa de compostagem para os restos? Em poucos meses terá um precioso adubo para as suas plantas. Se viver num apartamento, um sistema de compostagem para a cozinha pode ser a solução. Coloque os restos no balde de compostagem, cubra-os com uma camada de micro-organismos e deixe fermentar.

 

REDUZIR O DESPERDÍCIO: TERÁ O “USAR E DEITAR FORA” OS DIAS CONTADOS?

Mäyjo, 27.11.16

residuos

Em média cada europeu consome 16 toneladas de material por ano, sendo que mais de 37% desta quantidade acaba por se transformar em resíduos. Uma das causas que pode explicar estes números é o habito de “usar e deitar fora”, que devemos tentar evitar ao máximo.

 

Como forma de reduzir este enorme desperdício, alguns critérios devem ser tidos em conta na altura em que compramos algo. Por exemplo, perceber se o produto vem com um manual de reparação; se pode ser desmontado facilmente ou se, pelo contrário, tem algumas partes coladas, soldadas ou que necessitam de ferramentas pouco comuns para a sua reparação.

Ao comprarmos um produto que tem bateria, devemos igualmente tentar perceber se a bateria de substituição é acessível e de fácil substituição.

Assim na próxima vez que for às compras, tente perceber se o produto que está a adquirir é facilmente reparável. Uma preciosa ajuda para o meio ambiente, que fará com que poupe muito dinheiro no futuro.

O Minuto Verde é uma rubrica produzida pela Quercus e emitida aos dias úteis na RTP.

 

Luta contra o desperdício alimentar

Mäyjo, 20.10.16

supermercado _1

REINO UNIDO INAUGURA SUPERMERCADO DE DESPERDÍCIO ALIMENTAR

Fotos: Adam Smith

SUPERMERCADO BRITÂNICO VAI VENDER TOMATES CAÍDOS E DE FORMAS FEIAS

Mäyjo, 27.06.15

Supermercado britânico vai vender tomates caídos e de formas feias

O supermercado Waitrose vai vender sacos de tomates que tenham caído naturalmente e outros cujas formas sejam irregulares e feias, de acordo o comprador deste fruto para a cadeia britânica, Peter Cooke.

“No que toca aos tomates, não há nenhuma razão para que a beleza tenha de estar associada à pele lisa. Todas as nossas selecções são diferentes, e essa é a verdadeira beleza, termos tomates que, normalmente, não seriam vendidos desta forma aos nossos consumidores”, explicou o responsável.

O tomate, juntamente com o abacate, é o produto fresco que cria mais desperdício alimentar na indústria. A Waitrose já vende vários frutos e vegetais com a forma estranha, como cenouras, batatinhas, courgettes, morangos, ameixas, maçãs e couve-flores – e, segundo o Guardian, continuará a colocar cada vez mais produtos ditos feitos nas suas lojas, como forma de reduzir o desperdício.

No caso do tomate, uma caixa de um quilo inclui várias espécies, do cherry ao bebé, que normalmente são ignorados porque caíram no chão ou têm uma forma estranha. Cada caixa custa €3,60 (R$11,20).

Nos últimos anos, associações e activistas ligados à alimentação têm criticado a obsessão dos supermercados pelos produtos perfeitos – incluindo o próprio critério dos retalhistas -, o que leva à criação de uma interminável montanha de desperdício alimentar.

Foto:  marlenedd / Creative Commons

Casa abandonada há 23 anos revela pesadelo da sociedade de consumo

Mäyjo, 15.02.14

Casa abandonada há 23 anos revela pesadelo da sociedade de consumo (com FOTOS)

 

Qual o nosso impacto no ambiente? Depois de uma vida inteira a consumirmos recursos, comprarmos milhares de produtos, gadgets, automóveis, de que forma o que nos rodeia é afectado? Não é fácil responder a as estas perguntas, mas há uma forma visual de percebermos qual a nossa verdadeira pegada ecológica.

Nos arredores de Droitwich, no Reino Unido, uma antiga casa rural foi abandonada há 23 anos de um dia para o outro, depois da morte da esposa de David Howells, o proprietário. Uma visita ao espaço que, outrora, serviu de habitação ao casal, permite-nos perceber que estamos a modificar, e muito, o nosso ambiente.

Howells “fugiu” apressadamente da casa, deixando lá todos os seus pertences. Assim, como pode ver nas fotos que publicamos abaixo, ficaram na habitação os automóveis da família, a roupa, comida, electrodomésticos, tecnologia… Sem manutenção, a casa foi invadida pela natureza, mas os produtos que por lá permaneceram não sairão, tão cedo, das nossas vidas.

Segundo os vizinhos, David Howells morará perto da casa agora em ruínas. Ele terá herdado a propriedade do seu pai, mas não a colocou à venda ou, eventualmente, lá regressou. Se as fotos do interior da habitação indigam e preocupam os vizinhos de Howells, imaginemos as lixeiras e esgotos de lixo electrónico e automóveis que existem em todo o mundo – alguns deles visíveis do espaço.

Será que não será mesmo possível vivermos com menos? Veja como pode reciclar o seu electrodoméstico velho - e evitar prejudicar o ambiente e a saúde pública -, e como pode ajudar a melhorar a sustentabilidade do seu bairro através da reciclagem e outros gestos simples.

E quantas casas teremos, em Portugal, neste estado de (não) conservação?

 

in: Green Savers